Martin Auer: A Estranha Guerra, Histórias para uma Cultura de Paz

   
 

O Escravo

Please share if you want to help to promote peace!

Traduzido por João Pereira e Daniela Suchanek

Revisado por Sara Bernal Rutter

O Sonhador
Medo
Outra Vez Medo
Os Dois Lutadores
Homem contra Homem
O Escravo
A Guerra Estranha
Congestionamento
Na sua própria porta
A Bomba
Foreword
Download (Todas as estórias em um arquivo para impressao)
Livro de visitas
Sobre o Tradutor
Sobre o Autor
Mail for Martin Auer
Licença
Creative Commons licence agreement

Bücher und CDs von Martin Auer


In meinem Haus in meinem Kopf
Gedichte für Kinder

Die Prinzessin mit dem Bart
Joscha unterm Baum
Was die alte Maiasaura erzählt

Die Erbsenprinzessin

Der wunderbare Zauberer von Oz - Hörbuch zum Download

Die Jagd nach dem Zauberstab, Roman für Kinder - Hörbuch zum Download
Der seltsame Krieg
Geschichten über Krieg und Frieden

Zum Mars und zurück - Lieder
Lieblich klingt der Gartenschlauch - Lieder
Lieschen Radieschen und andere komische Geschichten - CD

Um homem tinha um escravo. E o escravo tinha de fazer todo o trabalho para ele. Ele lavava-o, penteava-o, cortava-lhe a comida e levava-lhe a comida à boca. O escravo escrevia-lhe as suas cartas, limpava-lhe os sapatos, cosia-lhe as meias, cortava a madeira e aquecia-lhe a salamandra. Quando o homem via framboesas enquanto passeavam, o escravo tinha de as apanhar e de as pôr na sua boca. Para impedir que o escravo fugisse, ele mantinha-o sempre preso a uma corrente. Dia e noite ele tinha de o agarrar e de o arrastar com ele, ou o escravo fugiria. Na outra mão o homem tinha sempre um chicote, porque quando o escravo puxava e sacudia a corrente, ele tinha de lhe mandar chicotadas. Quando os braços do homem já estavam doridos de bater no escravo e este estava exausto, ele amaldiçoava o escravo e as correntes e tudo.

Ás vezes ele sonhava secretamente com os tempos em que ele ainda era novo e ainda não tinha um escravo. Nesses dias ele ainda podia andar livremente pela floresta e apanhar as framboesas sem estar sempre a puxar a corrente. Agora ele nem podia ir à casa de banho sozinho. Primeiro porque o escravo fugiria, e depois quem é que lhe ia limpar o rabo?  Ele mesmo não tinha nenhuma mão livre para fazer isso.

Uma vez, quando ele estava a amaldiçoar outra vez, alguém lhe disse: "Bem, se é tão terrível, porque não deixas o teu escravo ser livre?"

"Sim...", disse o homem, "...para ele me poder matar!" Mas secretamente o homem sonha com a liberdade.

E o escravo? Também sonha com a liberdade? Não, ele já desistiu de sonhar com a liberdade há muito tempo. Ele apenas sonha com ele mesmo a ser o patrão, a ter o homem na corrente, a bater-lhe com o chicote e a faze-lo limpar-lhe o rabo. É com isto que ele sonha!


Este site tem o seu conteúdo publicado pelos usuários registrados. Se voce perceber algo que pareça spam ou abuso, por favor entre em contato com o autor. self published by registered users. If you notice anything that looks like spam or abuse, please c